Mensagens do Provedor

Discurso do 494º Aniversário da Misericórdia de Sines


Provedor Luis Venturinha Hoje a Santa Casa faz 494 anos. Por enquanto, não há conhecimento de como ela nasceu. Mas uma coisa penso poder afirmar, o porquê do seu nascimento. De certeza que foi com a missão de apoiar os mais desfavorecidos, os desamparados, e todos aqueles cujo sofrimento era o seu “lema” de vida.

Bem-aventurados todos aqueles que tomaram tal iniciativa, todos os que participaram em tamanha obra. Estou convencido que essas pessoas ao fazê-lo, estavam conscientes que estavam a realizar uma obra humanitária de grande valor; duvido é que alguma vez imaginassem a amplitude, profundidade e durabilidade social e humanista, de tamanha obra.

Ainda bem que o fizeram. Sabemos que com o decorrer dos séculos, governos e gerações, muitas mudanças terão ocorrido: umas boas, outras razoáveis e outras más. Também podemos adivinhar que a Santa Casa serviu de “porto de abrigo” a muita gente, e principalmente a gente muito necessitada. Por cá passaram muitos homens e mulheres que, de uma forma abnegada e voluntária, se entregaram de corpo e alma à missão de aliviar o sofrimento dos mais desprotegidos da sorte.

Essas figuras de grande valor humanístico, que tão desinteressadamente deram o que tinham em prol dos mais desfavorecidos, hoje são incógnitas, nem contam na história, mas não caíram no vazio do esquecimento. E são essas pessoas que hoje gostaria de homenagear, lembrando o contributo que deram ao longo destes 494 anos, pois se eles não tivessem continuado a manter viva a chama da MISSÃO HUMANISTICA E SOLIDÁRIA, hoje não estaríamos aqui e, pior que isso, como teria sido a vida de todos aqueles que por cá passaram e que lhes foi aliviado o sofrimento?

Como actual representante da Mesa Administrativa, proponho uma simbólica homenagem a todos aqueles homens e mulheres de bem, que contribuíram e continuam a contribuir para a continuidade desta grande OBRA que se chama Santa Casa da Misericórdia de Sines.

Colaboradores

No presente, não nos podemos esquecer de todas aquelas pessoas que durante 24 horas por dia lidam e tratam dos nossos utentes. São eles os nossos prezados/as colaboradores/as, que de uma forma abnegada desempenham as suas tarefas com zelo e amor.

A todos/as os sinceros agradecimentos pela forma como me acolheram e aos novos Mesários, como aderiram de uma forma activa às novas ideias e tipo de gestão, com um entusiasmo contagiante, incutindo e estimulando os seus colegas para aderirem também ao novo projecto.

Isto demonstra que a Misericórdia, felizmente, tem pessoas bem qualificadas e preparadas para entenderem as novas realidades e respectiva legislação nacional, pois, mais cedo ou mais tarde, acabaremos por ser confrontados com situações concretas, que a serem tratadas atempadamente serão de mais fácil resolução.

Irmãos e voluntários

Sei que existem muitos irmãos, alguns dos quais nem conhecem a Misericórdia. É pena, pois ser irmão duma Misericórdia tem um significado diferente do que ser sócio de um clube, ou a atitude de permanecer descansado considerando-se com o direito de ter uma porta aberta quando dela necessitar; ser irmão é também ter o dever de ser solidário para com a Misericórdia, serviços e utentes.

Quanto ao voluntariado, estamos neste momento a trabalhar no “regulamento interno de voluntariado” para que sirva de orientação e disciplina aos candidatos e aos próprios voluntários. Este processo pressupõe formação e acompanhamento adequados às funções a desempenhar.

Convidam-se todas as pessoas de boa vontade e que tenham disponibilidade, em dar o seu contributo em prol do bem-estar dos utentes.

Aproveito também para agradecer a todos os que através do voluntariado, ou serviços prestados gratuitamente, pela sua entrega e serviço social prestado.

Benfeitores

Muitos deles são pessoas ou entidades anónimas, mas que têm um peso muito grande na continuidade da Misericórdia. Sem eles, estaríamos a tentar gerir cenários de sobrevivência, em vez de proporcionar as melhorias, tão necessárias, aos nossos utentes.

Amigos

Os amigos são todos aqueles que até parece que não dão nada, mas que no fundo nos incentivam e dão uma palavra de alento sempre que as oportunidades o proporcionam; são de uma riqueza e força inestimáveis.

Os nossos queridos utentes

Gostaria de vos reafirmar, que TODOS vocês são a principal razão da existência da Misericórdia.

Está no espírito da Mesa Administrativa e restantes Órgãos Sociais, o tentarmos encontrar soluções que vos proporcionem a melhor qualidade de vida e bem-estar possíveis. A nossa grande vontade e aposta será criar-vos condições de serviços ao nível da excelência, pois sabemos que as doenças e os anos são armas poderosíssimas contra as quais não podemos lutar ou vencer.

Sei que, infelizmente, por muita vontade que tenhamos, as coisas não acontecem com a rapidez desejável e de que vocês necessitam e merecem.

Mas sendo vocês a nossa primeira prioridade, acreditem que temos sempre presente:

  • O vosso sofrimento que nos angustia.
  • A preocupação em preencher o vosso tempo e mente.
  • Um grande respeito pelos vossos sentimentos.
  • Melhorar até onde as possibilidades permitirem o vosso bem- estar geral.
  • Contribuir para que os vossos familiares se lembrem mais de vocês.
  • Trabalhar para que se estabeleça uma relação de família entre vocês e as colaboradoras da Misericórdia.

Sabemos que parte destes objectivos são ambiciosos, mas também sabemos que se não tentarmos então eles nunca se concretizarão.

A vida tem uma evolução constante, por vezes difícil de acompanhar; o que hoje é uma realidade, a curto prazo já será outra. Mas vamos estar atentos, e tentar acompanhar a evolução dos tempos, pois hoje vocês e todos utentes vindouros merecem o melhor, e é para esse melhor que nós estamos empenhados em trabalhar.

Contem connosco!

Em meu nome pessoal, peço-vos desculpa se não conseguir fazê-los Felizes.


OBRIGADO A TODOS


E QUE DEUS NOS AJUDE!



O Provedor

Luís Venturinha de Vilhena


Sines, 22 de Fevereiro de 2010.


Outras mensagens [+]

Topo ^

*/