Mensagens do Provedor

O CAMINHO FAZ-SE CAMINHANDO



Provedor Luis Venturinha

Caros Amigos/as

Como alguém disse “ O caminho faz-se caminhando” só que nem sempre o caminho é tão direto e fácil conforme é desejável. É assim na vida e nos projectos em que nos envolvemos. Pela sua dimensão e representatividade para a Misericórdia, sentimo-nos na obrigação de comunicar à nossa irmandade e população em geral o contratempo com o decorrer da obra da construção do novo Lar Prats Sénior.

Por ter havido várias condicionantes por parte do empreiteiro, que penalizavam o bom andamento da obra e de alguma forma a Misericórdia, decidiu-se, de acordo com a conjuntura, avançar para uma rescisão amigável do contrato, sendo justo destacar a disponibilidade do mesmo para o efeito. Neste interregno, decidiu-se aproveitar a oportunidade, ao abrigo do Decreto-Lei 67/2012 que permitia o aumento de capacidade de camas, fazer a transformação do projecto de 60 para 80 camas.

Lamentamos todas estas contrariedades, mas perante os infortúnios somos obrigados a arranjar soluções, e esta foi a única forma de se tratar deste procedimento com o mínimo de riscos e custos para todas as partes.

Entretanto, estamos a desenvolver acções preparatórias para lançamento do novo concurso de reprogramação para a conclusão da obra, com preocupação e empenho, para que esta volte a arrancar breve, assim que as condições técnicas e regulamentares o permitam.

Neste sentido, gostaria de convidar a população de Sines a juntar-se a nós na valorização da nossa obra social desenvolvida em prol da assistência aos mais desfavorecidos.

Aproveito também a oportunidade para apelar às entidades, empresas e pessoas de boa vontade, para que dentro das suas possibilidades encarem a Misericórdia como uma instituição que, nos tempos que correm, precisa de todos para melhor também servir todos, não dando ouvidos a muitas vozes mal informadas sobre a Misericórdia ser apoiada pelos lucros dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Acredito que a Misericórdia de Lisboa apoie algumas instituições, embora ela também tenha as suas próprias necessidades, e daí absorver boa parte das verbas despendidas, não podendo por isso chegar a todos os necessitados, como até agora tem sido o nosso caso. Quero com isto dizer que a nossa sustentabilidade se baseia somente nas receitas familiares e institucionais, o que pela sua insuficiência obriga a grandes esforços na contenção de despesas, em paralelo com o esforço de se criar e prestar as melhores condições possíveis aos nossos utentes.

Também sabemos que as dificuldades gerais impostas pelas actuais políticas de austeridade geram muitas necessidades e insegurança na população em geral, e por arrasto alguma revolta e facilidade às críticas negativas. No que nos toca, sabemos que também não podemos fugir à regra, pois estamos muito expostos e limitados na forma como combater e demonstrar eficazmente muitas inverdades que possam ser ditas, ou seja, bem gostaríamos de poder ajudar a transformar atitudes de uma maneira mais construtiva salutar e humana.

É nosso lema tentar bem servir, de preferência com a qualidade e o humanismo possíveis, investindo dentro das nossas condicionadas possibilidades, em melhoria de equipamentos, melhoria na prestação de serviços com base na formação profissional, através de workshops e nos conhecimentos adquiridos pelos funcionários ao longo dos anos.

A nossa e sua missão é ajudarmos a melhor servir os outros, para que no amanhã quando nós, hoje no activo, precisarmos, também termos quem melhor cuide de nós. Por isso, aceitamos com espírito aberto todos os apoios e críticas, de preferência construtivas, porque nos ajudam a sermos melhores, hoje e no futuro.


Um grande Bem-haja para todos.



O Provedor

Luís Venturinha de Vilhena


Sines, 23 de Setembro de 2013.


Outras mensagens [+]

Topo ^

*/